quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Black Billy



Este vídeo será exibido hoje, na III Semana de Cultura Renato Moreto, na Faculdade de Medicina de Campos, dentro da Mostra de Curtas Regionais. Nele depois de um passeio pela Cinelândia no Rio, uma entrada rápida no Cine Odeon e  um clic nas Escadarias de Celaron, ao som de Engels Espíritos, falo este poema no quintal do Ateliê D´Aroeira, em Cabo Frio com câmeras guiadas por Jiddu Saldanha.

Black Billy

ela tinha um jeito gal
fatal – vapor barato
toda vez que me trepava as unhas
como um gato
cantar era seu dom
chegava a dominar a voz
feito cigarra cigana ébria
vomitando doses dos eu cnto
uma vez só subiu ao palco
estrela no hotel das prateleiras
companheira de ratos
na pele de insetos
praticando a luz incerta
no auge do apogeu
a morte não é muito mais
que um plug elétrico
um grito de guitarra uma centelha
logo assim que ela começa
algo se espelha
na carne inicial de quem morreu



Jazz Free Som Balaio
Para Moacy Cirne
gravada no CD fulinaíma sax blues poesia

ouvidos negros Miles trumpete nos tímpanos
era uma criança forte como uma bola de gude
era uma criança mole como uma gosma de grude
tanto faz quem tanto não me fez
era uma ant/Versão de blues
nalguma nigth noite uma só vez

ouvidos black rumo premeditando o breque
sampa midnigth ou aversão de Brooklin
não pense aliterações em doses múltiplas
pense sinfonia em rimas raras
assim quando desperta do massificado
ouvidos vais ficando dançarina cara
ao Ter-te Arte nobre  minha musa Odara

ao toque dos tambores ecos sub/urbanos
elétricos negróides urbanóides gente
galáxias relances luzes sumos prato
delícias de iguarias que algum Deus consente
aos gênios dos infernos
que ardem gemem Arte
misturas de comboios das tribos mais distantes
de múltiplas metades juntas numa parte

Artur Gomes



Fulinaíma Produções
poeta.ator.vídeo.maker
 (22)9815-1266

Nenhum comentário:

Postar um comentário