domingo, 1 de dezembro de 2019

poesia proibida



Poesia Proibida

é um curta de Jiddu Saldanha em parceria com Artur Gomes, para o seu projeto Cinema Possível. A parceria dos dois começou em 2007, quando  Artur Gomes voltou de Brasília com uma pequena câmera cannon de 5 mega pixels comprada numa feira na periferia do distrito federal. A partir daí começaram os delírios audiovisuais dessa parceria inusitada.

Poesia Proibida começou a ser filmado em Cabo Frio, naquele mesmo ano de 2007, e as primeiras aventuras  da dupla: mímico/poeta foram podemos assim dizer hilárias, que já assistiu os delírios em TROPICALIRISMO  sabe do que estou falando. Poesia Proibida, tem cenas filmadas em Cabo Frio, Lapa, e Parque das Ruínas, num domingo de Rock e Poesia, com diversas participações inusitadas de Fil Buc (filho de Artur Gomes), Hilda Cequeira, May Pasquetti, Marisa Vieira, Margareth Bravo e muitas outras.

O título : Poesia Proibida, com certeza vem do poema Carne Proibida, do livro Suor & Cio de 1985, um dos poemas de Artur Gomes, que Jiddu Saldanha gosta de falar. O Proibido na obra poética de Artur Gomes, vem desde a décadas de 70/80 quando ainda linotipista na então Escola Técnica Federal de Campos, teve diversas de suas peças proibidas de ser encenadas com os estudantes  da ETFC que ele cooptava para o início da sua trajetória com  Teatro.

Carne Proibida

o preço atual
proíbes que me comas
mas pra ti estou de graça
pra ti não tenho preço
sou eu quem me ofereço
a ti: músculo & osso
leva-me à boca
e completa do teu almoço

do livro Suor & Cio
MVPB Edições 1985

Fulinaíma MultiProjetos
portalfulinaima@gmail.com
(22)99815-1268 - whatsapp










quinta-feira, 28 de novembro de 2019

santa loucura santa


Santa Loucura Santa
Hoje 0 28 de novembro - 19h
Santa Paciência Casa Criativa
Rua Barão de Miracema, 81
Campos dos Goytacazes-RJ
Arte A Santa Loucura (Artur Gomes)

O intuito do evento que acontece hoje na Santa Paciência é angariar doações para a festa de Natal para os internos do Hospital Abrigo João Vianna

Ulli Marques
Jornal Terceira Via

A um mês do Natal, data marcada pela celebração do amor ao próximo, um médico e um poeta de Campos, sensíveis às necessidades do outro, agem conforme suas profissões: voltam os olhos tolerantes àqueles que, comumente,  muitos julgam e poucos se lembram.

No dia 18 de dezembro de 2019, os internos do Hospital Abrigo João Vianna devem ter um Natal digno.  E para ajudar a organizar uma farta festa, Dr. César Ronald e Artur Gomes promovem hoje dia 28 de novembro a partir das 19h um Sarau a fim de angariar doações.

Trata-se da Santa Loucura Santa que acontecerá no espaço cultural, Santa Paciência Casa Criativa, situada na Rua Barão de Miracema, 81, a partir das 19h.

Segundo o Dr. César Ronald, apresentador do programa Mais Saúde da 3ª Via TV, a ideia de proporcionar esse Natal aos internos do Abrigo João Vianna, surge da óbvia constatação de que a vulnerabilidade desses pacientes não lhes tira o direito ao carinho. Assim, com o intuito de oferecer a eles o que todo ser humano merece,  o médico,  sensibilizado convidou outro homem também tocado pela causa.

Juntos o médico e o poeta Artur Gomes, que há anos empenha-se  a ajudar o hospital, idealizaram o Sarau. O objetivo é receber doações de alimentos, roupas e materiais de limpeza, e não somente ajudar a manter a casa, mas também realizar uma ceia natalina.

Segundo o atual administrador do Hospital Abrigo João Vianna, Edilson Cruz, hoje a instituição atende a 70 internos e mantê-los com dignidade não é uma tarefa simples. "A situação do Hospital é bem delicada, pois os funcionários estão sem receber há meses e sem 13º desde 2017. Mas, apesar disso percebemos que o carinho que os funcionários têm pelos internos supera um pouco as dificuldades, tanto que ainda não foi cogitada a possibilidade de fazer greve, por exemplo. No mais, as nossas  maiores necessidades são referentes a materiais de limpeza e higiene pessoal, por isso pedimos para que as pessoas ajudem principalmente com esses ítens". Afirmou Edilson.

Confluir, então, a ajuda material, tão necessária, à ajuda material tão necessária, à dedicação e o amor ao próximo, atitudes intimamente relacionadas à energia do Natal, é a missão desse projeto. O Sarau Santa Loucura Santa, deve reunir poetas, músicos, atores e artistas em geral que se apresentarão para toda a população de Campos que está convidada a participar e fazer as suas doações.

"As pessoas, a maioria delas, não sabem como é difícil manter o Hospital Abrigo João Vianna aberto. Essa instituição tradicional sobrevive a crises de toda ordem para proporcionar dignidade àquelas pessoas em situação vulnerável. O mínimo que podemos fazer  é doarmos nosso tempo, nossa força de trabalho e alguns poucos recursos que, para nós, pouco significam, mas garantem a eles o básico.

Estou muito feliz, emocionado e ansioso para ajudar mais uma vez essa causa nobre. Dr. César Ronald é um amigo de longas caminhadas e de luta por uma sociedade mais humana e quando ele me fez o convite, não poderia ficar de fora. Espero que muitos também sejam tocados e se mobilizem para ouvir boa música, poesia e se engajar com a gente nessa campanha", declarou o poeta Artur Gomes.

Jura Secreta 14
do livro Juras Secretas
Editora Penalux - 2018

eu te desejo flores lírios brancos 
margaridas girassóis rosas vermelhas 
e tudo quanto pétala 
asas estrelas borboletas 
alecrim bem-me-quer e alfazema 

eu te desejo emblema 
deste poema desvairado 
com teu cheiro teu perfume 
teu sabor teu suor tua doçura 

e na mais santa loucura 
declarar-te amor até os ossos 

eu te desejo e posso : 
palavrArte até a morte 
enquanto a vida nos procura 

obs.: de público queremos agradecer ao querido amigo  Fernando Loureiro,  pelo seu empenho para que a ACIC este ano destine as suas doações ao Hospital Abrigo João Vianna.

Fulinaíma MultiProjetos
portalfulinaima@gmail.com
(22)99815-1268 - whatsapp





terça-feira, 19 de novembro de 2019

santa loucura santa






Jura secreta 14 
eu te desejo flores lírios brancos 
margaridas girassóis rosas vermelhas 
e tudo quanto pétala 
asas estrelas borboletas 
alecrim bem-me-quer e alfazema 

eu te desejo emblema 
deste poema desvairado 
com teu cheiro teu perfume 
teu sabor teu suor tua doçura 

e na mais santa loucura 
declarar-te amor até os ossos 

eu te desejo e posso : 
palavrArte até a morte 
enquanto a vida nos procura 


Arur Gomes
do livro Juras Secretas
Editora Penalux - 2018
Fulinaíma MultiProjetos
portalfulinaima@gmail.com
(22)99815-1268 - whatsapp 
Santa Loucura Santa

segunda-feira, 18 de novembro de 2019

almas lavadas de lama



Mariana Brumadinho

um mar de lama
mata um rio
que era doce
Mariana Brumadinho
tem muita lama
no meu do caminho

holocausto

quem se alimenta
dessa dor
desse horror
desse holocausto

desse país em ruínas
da exploração dessas minas
defloração desse cabaço

quem avaliza o des(governo)
simboliza esse fracasso?


Artur Gomes
Fulinaíma MultiProjetos
potalfulinaima@gmail.com
(22)99815-1268 - whatsapp



quinta-feira, 14 de novembro de 2019

pátria que pariu



pátria que pariu
para Rubens Jardim

os dentes das pedras
mordem a língua
dos meus dias obscuros

esse país teve passado
         não tem presente
         nem tem futuro

peixe é bicho inteligente
foge do óleo criminoso
               derramado
nos mares do nordeste
- eita peixe caba da peste!

nem sei em que planeta
estamos  hoje
nessa infernal atmosfera

capitão boçal pede desculpas
pelas cagadas dos 3 filhos

Aí 5 é apenas os centímetros
que um deles carrega
pendurado entre as pernas

esperma já virou porra
nesta pátria que pariu
a besta fera



y love song baby


em imburi o vento sopra
gosma de tapioca
manga mandioca abacaxi
são francisco do itabapoana
não me engana
minha língua não precisa
provar lamber comer chupar
para saber  o gosto
do amargo fel dessa estrada
que nela se desova
toda cruel veracidade
com toda essa podridão
que se espalhou pela cidade





Artur Gomes Fulinaíma
do livro inédito - FULINAIMAGEM
contatos: Fulinaíma MultiProjetos
portalfulinaima@gmail.com
(22)99815-1268 - whatsapp



segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Santa Loucura Santa




·        



Convite

convido todos os amigos amigas poetas, músicos, atores, atrizes e interessados em geral, para uma reunião nesta terça 12 de novembro a partir das 20:30h para falarmos dos objetivos e dos passos da campanha Santa Loucura Santa, em prol dos internos do abrigo João Vianna.

O mentor da ideia é o médico humanista Cesar Ronald Pereira, amigo de muitas e muitas caminhadas na luta por tempos mais humanos. O primeiro passo da campanha, se dará no próximo dia 28 a partir das 19h na Santa Paciência Casa Criativa.

Quem se interessar a se engajar nesta caminhada, mensagens no inbox (facebook), ou pelo e-mail
portalfulinaima@gmail.com 
 para passarmos o endereço da reunião.

Santa Loucura Santa, além de ser uma campanha em prol dos internos do abrigo João Vianna, é também uma proposta para performances com as múltiplas linguagens da Arte.

Artur Fulinaíma Gomes




domingo, 3 de novembro de 2019

XXI FestCampos de Poesia Falada



XXI FestCampos de Poesia Falada
Dias 7, 8 e 9 novembro - 19h
Local: Auditório do Liceu de Humanidades de Campos

Nos intervalos das apresentações das poesias concorrentes, estaremos numa Santa Balbúrdia, homenageando a poesia de Kapi (Antônio Roberto de Góis Cavalcanti), Antônio Roberto Fernandes e Luica Miners, com Adriana Medeiros, Cristina Cruz, e Ronaldo Jr. Além de abrir o microfone para todos os poetas e público presente interessados em fazer suas intervenções poéticas.

Com muito prazer anuncio a vinda de São Paulo do poeta e meu queridíssimo amigo César Augusto de Carvalho, para leituras e lançamento do seu recém lançado livro  Curto Circuito.
Criado em 1999 pelo poeta, ator e produtor cultural Artur Gomes,  o FestCampos de Poesia Falada é uma realização da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima e este ano depois de muita luta volta a ser realizado  no seu formato original.


PROFISSÃO DE FÉ

para Antônio Roberto de Góis Cavalcanti (Kapi)

Perdeu-se a rara e rica rima
sem cópia, raspa ou rascunho,
na casa ampla de minha cabeça vazia.

Onde ficou a palavra dita estalo,
fechou-se um mundo de silenciações
perdida na frase que me salvaria.

Sem voz nem voto nem ponto nem vírgula,
a poética se instala plena de perplexidade,
tentando (re)parir as ideias ou trazê-las à luz

como um filme gravado na memória,
(re)organiza estrofes para restaurar a história
que (re)significa o texto por vontade de ser

vai costurando vácuos e versos
em frágeis leituras e poemas imersos
nas entrelinhas da obra quase acabada.

No que não se exclui de tal esforço o preço
de vida e morte em cruel e fatal (re)começo,
no que for de cruz ou de inspirado instante,

mas dor e processo inconteste
posto que inconstante.

Amélia Alves
do livro No Reverso do Viés
Ibis Libris - 2015



Artur Gomes Fulinaíma
Fulinaíma MultiProjetos
contatos: portalfulinaima@gmail.com
(22)99815-1266 - whatsapp



sábado, 2 de novembro de 2019

FULINAIMAGEM



FULINAIMAGEM

mais breve que
                      ponteiros de relógios
o amor roeu os ossos
comeu a cartilagem
                  da linguagem dos negócios

minha vida de cachorro
não está pra peixe inteligente
tenho cohorado
                         as mortes que não tive
                         o morto que ainda vive

tem gente que aterroriza
minha pobre paciência
                        tamanha a indecência
dos seus discursos de bestas
da sua língua de bosta

Artur Gomes Fulinaíma
do livro inédito - FULINAIMAGEM

 


sexta-feira, 1 de novembro de 2019

esse poema é foda



Nathália me chama de monstro
diz que esse poema é foda e está apenas começando a ler o livro e cada poema ela gosta mais que o outro.
"você é foda cara
na boa, não tem outra definição
Puta que Pariu
Que poema! Meus Deus você é monstro"

Nathália Florido Osório

sei que de certa forma é por isso que o leitor treme ao dar de cara com essas Juras Secretas. para melhor entendimento ao lê-las como disse Vítor Lima, "nada melhor que lê-las bebendo um vinho ao som de Erice Satie"

Juliana é responsável por muitas Juras Secretas e já estava cravada na Traição das Metáforas, mas com ela foi conhac no Bolero Blue.

Artur Gomes



terça-feira, 29 de outubro de 2019

Jura Secreta 48




Jura Secreta 48 
sagarínica  fulinaimânica 

não sou iluminista nem pretender 
eu quero o cravo e a rosa 
cumer o verso e a prosa 
devorar a lírica a métrica 
a carne da musa 
seja branca negra amarela 
vermelha verde ou cafuza 

eu sou do mato 
curupira carrapato 
sou da febre sou dos ossos 
sou da Lira do Delírio 
São Virgílio é o meu sócio 

Pernambuco Amaralina 
vida breve ou sempre vida/severina 
sendo mulher ou só menina 
que sendo santa prostituta 
ou cafetina devorar é minha sina 
e profanar é o meu negócio 


 Artur Gomes 
do livro Juras Secretas
Editora Penalux - 2019







segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Artur Gomes


terra de santa cruz

ao batizarem-te
deram-te o nome:
posto que a tua profissão
é abrir-te em camas
dar-te em ferro
ouro
prata
rios
peixes
minas
mata
deixar que os abutres
devorem-te na carne
o derradeiro verme

salgado mar de fezes
batendo nas muralhas
do meu sangue confidente
quem botou o branco
na bandeira de alfenas
na certa se esqueceu
das orações dos penitentes
e da corda que estraçalha
com os culhões de Tiradentes


salve lindo pendão que balança
entre as pernas abertas da paz
tua nobre sifilítica herança
dos rendez-vous de impérios atrás

meu coração
é tão hipócrita que não janta
e mais imbecil que ainda canta:
ou
viram
no Ipiranga
às margens plácidas
uma bandeira arriada
num país que não levanta

só desfraldando
a bandeira tropicalha
é que a gente avacalha
com as chaves dos mistérios
dessa terra tão servil
tirania sacanagem safadeza
tudo rima uma beleza
com a pátria mãe que nos pariu

1º de Abril

telefonaram-me
avisando-me que vinhas
na noite uma estrela
ainda brigava contra a escuridão

na rua sob patas
tombavam homens indefesos

esperei-te 20 anos
ate hoje não vieste à minha porta

o poeta estraçalha a bandeira
raia o sol marginal quarta feira
na Geléia Geral brasileira
o céu de abril não é de anil
nem general é my Brazyl

minha verde/amarela esperança
Portugal já vendeu para França
e coração latino balança
entre o mar do dólar do norte
e o chão dos cruzeiros do sul

o poeta esfrangalha a bandeira
raia o sol marginal sexta feira
nesta porra estrangeira e azul
que há muito índio dizia:

meu coração marçal tupã
sangra tupy & rock and roll
meu sangue tupiniquim
em corpo tupinambá
samba jongo maculelê
maracatu boi bumbá
a veia de curumim
é coca cola & guaraná

o sangue rola no parque
o sonho ralo no tanque
nada a ver com tipo dark
e muito menos com punk
meu vício letal é baiafro
com ódio mortal de yank


ó baby a coisa por aqui
não mudou nada
embora sejam outras
siglas no emblema

espada continua a ser espada
poema continua a ser poema



Indigesta

ê fome negra incessante
febre voraz gigante
ê terra de tanta cruz

onde se deu primeira missa
índio rima com carniça
no pasto pros urubus

oh! myBrazyl
ainda em alto mar
Cabral quando te viu
foi logo gritando:
terra à vista!
e de bandeja te entregando
pra união democrática ruralista.

por aqui nem só beleza
nesses dias de paupéria
nação de tanta riqueza
país de tanta miséria


 olho de lince

onde engendro
a Sagarana

invento
a Sagaranagem

entre a vertigem
e a voragem

na palavra
de origem

entre a língua
e a miragem
São Bernardo e Diadema 


mordendo: o vírus da linguagem
no olho de lince do poema


Artur Gomes
poemas do livro Pátria A(r)mada
Editora Desconcertos - 2019
portalfulinaima@gmail.com
(22)99815-1266 - whatsapp

Artur Gomes é poeta, ator, videomaker e produtor cultural. Tem diversos livros publicados, sendo os mais recentes Juras Secretas (Editora Penalux, 2018) e Pátria A(r)mada (Editora Desconcertos, 2019). Dirigiu a Oficina de Artes Cênicas do Instituto Federal Fluminense  em Campos dos Goytacazes-RJ de 1975 a 2002. Em 1983, criou o projeto Mostra Visual de Poesia Brasileira e, em 1993, idealizou o projeto Mostra Visual de Poesia Brasileira Mário de Andrade — 100 anos — realizada pelo SESC São Paulo. Atualmente, leciona Poéticas no Curso Livre de Teatro em Campos dos Goytacazes-RJ e coordena a Balbúrdia Poética na La Taberna de Laura, no Rio de Janeiro  e a  Santa Balbúrdia na Casa Criativa Santa Paciência em Campos dos Goytacazes. Acaba de gravar no home studio Fil Buc — Produções o disco Poesia Para Desconcertos, com produção de seu filho Filipe Buchaul.